O delator Francisco Assis, diretor jurídico da JBS, mencionou à PGR que parte dos R$ 4 milhões pagos inicialmente ao advogado Willer Tomaz, para arquivar a Greenfield, foram repartidos. "Falou que um terço do que cobrou foi pro Juliano Costa Couto, presidente da OAB-DF"